Contemplar a Impermanência

March 9, 2017

 Paula, pele de porco e língua de boi. Foto: Bruno Vigna

 

Contemplar a impermanência. Optar pelo não ser. Eis a resolução.

 

Texto por Bruna Freitas:

 

"algo que emerge do humano, da parte viva que nos desloca, nos direciona sempre a um fim: ao portão da casa, a porta do escritório. como se o espaço fosse o interior disso que há de vivo e de tensão, de conflitos que englobam toda uma política social, questões éticas. essa saída da casa, rumo ao portão, seria então uma saída enquanto desistência, evasão; ou enquanto algo solucionado? a marginalidade das personagens, no canto, que olha de fora, que é central, mas que beira-ao-delírio, pois beira à descoberta, à catarse, ao êxtase, ao surto, ao encontrar a si defronte ao outro, na relação com esse outro que nos expõe e abre a fratura de onde expele a matéria amorfa, ponto de nossa alteridade (e fragilidade). ponto de afeto e conflito que nos joga do polo inicial, do "vagido primitivo" ao "silêncio fúnebre", ou, ainda, ao contrário – em um tempo suspenso. tempo esse que nos mostra nosso inerente deslocamento, nosso constante não-pertencimento em que se questiona "onde a nossa segurança? onde a nossa proteção?" há lugares de permanência? há origens?"

 

*Sobre alguns textos de Raduan Nassar

 

 

 

Please reload

O segundo dia

August 16, 2016

1/10
Please reload

Recent Posts

December 8, 2017

September 4, 2017

March 30, 2017

March 16, 2017

February 17, 2017

December 16, 2016

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags
Please reload

  • Facebook Basic Square

© ​Paula Blower2016. Todos os direitos reservados.