Contemplar a Impermanência


Paula, pele de porco e língua de boi. Foto: Bruno Vigna

Contemplar a impermanência. Optar pelo não ser. Eis a resolução.

Texto por Bruna Freitas:


"algo que emerge do humano, da parte viva que nos desloca, nos direciona sempre a um fim: ao portão da casa, a porta do escritório. como se o espaço fosse o interior disso que há de vivo e de tensão, de conflitos que englobam toda uma política social, questões éticas. essa saída da casa, rumo ao portão, seria então uma saída enquanto desistência, evasão; ou enquanto algo solucionado? a marginalidade das personagens, no canto, que olha de fora, que é central, mas que beira-ao-delírio, pois beira à descoberta, à catarse, ao êxtase, ao surto, ao encontrar a si defronte ao outro, na relação com esse outro que nos expõe e abre a fratura de onde expele a matéria amorfa, ponto de nossa alteridade (e fragilidade). ponto de afeto e conflito que nos joga do polo inicial, do "vagido primitivo" ao "silêncio fúnebre", ou, ainda, ao contrário – em um tempo suspenso. tempo esse que nos mostra nosso inerente deslocamento, nosso constante não-pertencimento em que se questiona "onde a nossa segurança? onde a nossa proteção?" há lugares de permanência? há origens?"

*Sobre alguns textos de Raduan Nassar


Recent Posts